Segunda, 15 de Abril de 2024
Geral São Paulo

Provão Paulista: ‘Nunca vi meu pai chorar, até o dia em que fui aprovada em Medicina’

Maria Eduarda, classificada para a USP Bauru, conta por que ficou conhecida como “agenda ambulante” do Provão e do Enem O post Provão Paulista: ‘Nu...

27/02/2024 07h23
Por: João Paulo Carrilho Fonte: Secom SP
Foto: Reprodução/Secom SP
Foto: Reprodução/Secom SP

Neste ano, Maria Eduarda Bartholomeu de Souza, de 18 anos, passa de ex-estudante de escola pública para futura médica formada pela Universidade de São Paulo ( USP ). A aluna, que concluiu o Ensino Médio na Escola Estadual Professor Baltazar de Godoy Moreira, é uma das estudantes aprovadas no Provão Paulista para a USP Bauru e se muda para a nova cidade neste mês de fevereiro para dar início ao seu futuro.

A notícia da aprovação no Provão para Medicina chegou no dia 26 de janeiro, data do anúncio da primeira chamada pela Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, e veio pela diretora da sua antiga escola, a professora Maria Fernanda Ferreira. “Confesso que não estava com tanta esperança de passar no Provão, porque meu sonho era a USP Bauru e sempre me pareceu algo distante. Eu já estava até matriculada em um cursinho, que só faria porque consegui uma bolsa de 90%. A expectativa era continuar tentando Medicina”, conta.

A aprovação trouxe outra novidade além do curso de Medicina na USP Bauru para a vida de Maria Eduarda. “Eu nunca vi meu pai chorar, até o dia em que fui aprovada em Medicina”, lembra.

Ainda em Marília, a futura médica mora com as irmãs e com os pais. O pai, Thiago Santana de Souza, é eletricista e trabalha com instalação de antenas e consertos de TV, e a mãe, Aline Abrahão Bartholomeu, acaba de ser contratada por uma empresa de semijoias. Na mudança para Bauru, Maria Eduarda já sabe onde quer morar. “Meus pais trabalham muito. Espero conseguir a moradia estudantil para que eles fiquem mais tranquilos em relação aos custos”, diz.

‘Agenda ambulante’

A trilha até chegar à conquista da vaga em Medicina começou a ser perseguida por Maria Eduarda desde a 1ª série do Ensino Médio, quando passou a focar nos estudos, de olho na aprovação confirmada no final de janeiro.

Aluna do período noturno, ela foi em busca de um trabalho em um cursinho da cidade para complementar os estudos. “Eu nunca conheci alguém com tantas oportunidades quanto as que eu tive e estou tendo. Eu trabalhava na escola particular em troca de aulas complementares de cursinho e ainda garanti a bolsa para as aulas que faria neste ano. Já avisei a escola que não precisarei mais e que eles podem conceder a bolsa a outro estudante”.

No último ano, além das aulas e do apoio dos professores da escola estadual — ela cita nominalmente Camacho, de Química, e Silmara, de Língua Portuguesa —, e das aulas complementares no cursinho, Maria Eduarda também utilizava as plataformas da Seduc-SP para a preparação para os vestibulares, Provão e Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Na unidade estadual, Maria Eduarda diz que era uma “agenda ambulante” dos vestibulares porque ia à frente da sala para avisar os estudantes sobre os prazos para inscrição nos vestibulares e no Enem, ajudava aqueles com dificuldades para realizar a inscrição ou registrar as opções de cursos ofertados pelo Provão Paulista em parceria com a USP, Universidade Estadual Paulista ( Unesp ), Universidade Estadual de Campinas ( Unicamp ), Faculdades de Tecnologia do Estado de São Paulo ( Fatecs ) e Universidade Virtual do Estado de São Paulo ( Univesp ).

Maria Eduarda se orgulha da personalidade motivadora. “Eu doei meus livros para um amigo da escola, que foi aprovado, com bolsa, na faculdade particular que ele queria estudar aqui em Marília. Na escola, eu criei grupos de estudos, construía PDFs para resumir aprendizados e ajudar meus colegas. Eu sempre promovi a importância dos estudos e tenho certeza que farei isso na USP. Quero me destacar lá também, fazer parte de ligas, estou me preparando para tudo isso”.

Mesmo aprovada na universidade, ela mantém a preocupação com seus colegas que estudam no período noturno. “As aulas no período noturno são um desafio para os professores, que se esforçam muito para manter a atenção dos alunos, como para esses alunos, que chegam muito cansados de um dia inteiro de trabalho. Muitas vezes eu tive que me segurar para não dormir na mesa”, reconhece.

Recado para o futuro

Maria Eduarda elege o dia 26 como o mais feliz de sua vida. “Foi o melhor dia da minha vida, e por conta do Provão, não vou me esquecer. Para os estudantes que farão a prova nos próximos anos, eu deixo um recado: não deixem os estudos de lado, vocês conseguem. O Provão é uma porta de entrada para a faculdade e me faltam palavras para descrever tudo que estou sentindo. Eu nunca entrei dentro de um prédio de uma universidade pública na minha vida e agora chegarei como aluna”, finaliza.

Siga o canal “Governo de São Paulo” no WhatsApp:
https://bit.ly/govspnozap

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Atualizado às 21h00
°

Mín. ° Máx. °

° Sensação
km/h Vento
% Umidade do ar
% (mm) Chance de chuva
Amanhã (16/04)

Mín. ° Máx. °

Amanhã (17/04)

Mín. ° Máx. °